Top

TABELA TIPI - 2018, Atualize a classficação fiscal de seus produtos!

(Nomenclatura Comum do Mercosul

A CONTROLLERPLUS disponibiliza uma versão da tabela TIPI  atualizada para 2018 no padrão .docx e .cvs, o objetivo é evitar que seus clientes recorra a diversas tabelas disponíveis na internet de procedência duvidas e sem nenhum critérios de qualidade das informações, com isso esperamos resolver problemas com mensagem de NFE´s não validadas com erros de NCM´s inválidos, bem como evitar erros de escrituração fiscal.

Uma escrituração fiscal de qualidade, reduz os riscos de cair numa malha fina, bem como, evita grandes multas ao empresário nos resultados das AUDITORIAS FISCAIS de rotinas.

Tabela de NCM – Padrão .PDF

Hash do documento original (SHA256): 950595230A781B29658DDE476CB77C80

Consulte seu CONTADOR, ou faça uso das REGRAS DE INTERPRETAÇÃO DO SISTEMA HARMOZADO do NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) e consulte a legislação disponível.Hash do documento original (SHA256): 6d3afbd1fed21b75cbd62c53cf2c37d2d16fe1eb3c808fc3610de67e3ae3454a

REGRAS DE INTERPRETAÇÃO DO SISTEMA HARMONIZADO

A classificação das mercadorias na Nomenclatura rege-se pelas seguintes Regras:

  1. Os títulos das Seções, Capítulos e Subcapítulos têm apenas valor indicativo. Para os efeitos legais, a classificação é determinada pelos textos das posições e das Notas de Seção e de Capítulo e, desde que não sejam contrárias aos textos das referidas posições e Notas, pelas Regras seguintes:

a) Qualquer referência a um artigo em determinada posição abrange esse artigo mesmo incompleto ou inacabado, desde que apresente, no estado em que se encontra, as características essenciais do artigo completo ou acabado. Abrange igualmente o artigo completo ou acabado, ou como tal considerado nos termos das disposições precedentes, mesmo que se apresente desmontado ou por montar.

b) Qualquer referência a uma matéria em determinada posição diz respeito a essa matéria, quer em estado puro, quer misturada ou associada a outras matérias. Da mesma forma, qualquer referência a obras de uma matéria determinada abrange as obras constituídas inteira ou parcialmente por essa matéria. A classificação destes produtos misturados ou artigos compostos efetua-se conforme os princípios enunciados na Regra 3.

Quando pareça que a mercadoria pode classificar-se em duas ou mais posições por aplicação da Regra 2 b) ou por qualquer outra razão, a classificação deve efetuar-se da forma seguinte:

a) A posição mais específica prevalece sobre as mais genéricas. Todavia, quando duas ou mais posições se refiram, cada uma delas, a apenas uma parte das matérias constitutivas de um produto misturado ou de um artigo composto, ou a apenas um dos componentes de sortidos acondicionados para venda a retalho, tais posições devem considerar-se, em relação a esses produtos ou artigos, como igualmente específicas, ainda que uma delas apresente uma descrição mais precisa ou completa da mercadoria.

b) Os produtos misturados, as obras compostas de matérias diferentes ou constituídas pela reunião de artigos diferentes e as mercadorias apresentadas em sortidos acondicionados para venda a retalho, cuja classificação não se possa efetuar pela aplicação da Regra 3 a), classificam-se pela matéria ou artigo que lhes confira a característica essencial, quando for possível realizar esta determinação.

c) Nos casos em que as Regras 3 a) e 3 b) não permitam efetuar a classificação, a mercadoria classifica-se na posição situada em último lugar na ordem numérica, dentre as suscetíveis de validamente se tomarem em consideração.

As mercadorias que não possam ser classificadas por aplicação das Regras acima enunciadas classificam-se na posição correspondente aos artigos mais semelhantes.

Além das disposições precedentes, as mercadorias abaixo mencionadas estão sujeitas às Regras seguintes:

a) Os estojos para câmeras fotográficas, para instrumentos musicais, para armas, para instrumentos de desenho, para jóias e receptáculos semelhantes, especialmente fabricados para conterem um artigo determinado ou um sortido, e suscetíveis de um uso prolongado, quando apresentados com os artigos a que se destinam, classificam-se com estes últimos, desde que sejam do tipo normalmente vendido com tais artigos. Esta Regra, todavia, não diz respeito aos receptáculos que confiram ao conjunto a sua característica essencial.

b) Sem prejuízo do disposto na Regra 5 a), as embalagens que contenham mercadorias classificam-se com estas últimas quando sejam do tipo normalmente utilizado para o seu acondicionamento. Todavia, esta disposição não é obrigatória quando as embalagens sejam claramente suscetíveis de utilização repetida.

A classificação de mercadorias nas subposições de uma mesma posição é determinada, para efeitos legais, pelos textos dessas subposições e das Notas de subposição respectivas, bem como, mutatis mutandis, pelas Regras precedentes, entendendo-se que apenas são comparáveis subposições do mesmo nível. Na acepção da presente Regra, as Notas de Seção e de Capítulo são também aplicáveis, salvo disposições em contrário.

REGRAS GERAIS COMPLEMENTARES (RGC)

 

  • (RGC-1) As Regras Gerais para Interpretação do Sistema Harmonizado se aplicarão, mutatis mutandis, para determinar dentro de cada posição ou subposição, o item aplicável e, dentro deste último, o subitem correspondente, entendendo-se que apenas são comparáveis desdobramentos regionais (itens e subitens) do mesmo nível.
  • (RGC-2) As embalagens que contenham mercadorias e que sejam claramente suscetíveis de utilização repetida, mencionadas na Regra 5 b), seguirão seu próprio regime de classificação sempre que estejam submetidas aos regimes aduaneiros especiais de admissão temporária ou de exportação temporária. Caso contrário, seguirão o regime de classificação das mercadorias.

 

REGRA GERAL COMPLEMENTAR DA TIPI (RGC/TIPI)

  1. (RGC/TIPI-1) As Regras Gerais para Interpretação do Sistema Harmonizado se aplicarão, “mutatis mutandis”, para determinar, no âmbito de cada código, quando for o caso, o “Ex” aplicável, entendendo-se que apenas são comparáveis “Ex” de um mesmo código.

Decreto Nº 8.950, de 29 de dezembro de  2016;

Artigos. 2º, 3º e 4º do Decreto nº 8.656, de 29 de janeiro de 2016;

Decreto nº 8.512, de 31 de agosto de 2015;

Decreto nº 8.280, de 30 de junho de 2014;

Decreto  nº  8.279,  de  30  de  junho  de  2014;

Decreto nº 8.169, de 23 de dezembro de 2013;

Decreto nº 8.168, de 23 de dezembro de 2013;

Decreto nº 8.116, de 30 de setembro de 2013;

Decreto  nº  8.070,  de  14  de  agosto  de  2013;

Decreto nº 8.035, de 28 de junho de 2013;

Decreto nº 8.017, de 17 de maio de 2013;

Decreto nº 7.971, de 28 de março de 2013;

Decreto nº 7.947, de 8 de março de 2013;

Decreto nº 7.879, de 27 de dezembro de 2012;

Decreto nº 7.834, de 31 de outubro de 2012;

Art. 25, 26 e 27 do Decreto nº 7.819, de 3 de outubro de 2012;

Decreto nº 7.796, de 30 de agosto de 2012;

Decreto nº 7.792, de 17 de agosto de 2012;

Decreto nº 7.770, de 28 de junho de 2012;

Decreto nº 7.741, de 30 de maio de 2012;

Decreto nº 7.705, de 25 de março de 2012;

Decreto nº 7.660, de 23 de dezembro de 2011.

Deixar comentário.


versão - outubro 2018